6 de novembro de 2013

Resenha do documentário "Identidade Repartida" da badia Artemisa Ferreira


“Identidade Repartida” (2013) é o vídeo-documentário da badia Artemisa Ferreira apresentado no projecto final do curso de Realização Televisiva, em Portugal. O filme contextualiza o problema da identidade de jovens de origem caboverdeana que nasceram longe do arquipélago, concretamente em Portugal, na perspectiva humana.

Trata-se de um filme jovem em vários aspectos: na realizadora, nos intervenientes e na linguagem descomplexada e acessível com que os entrevistados abordam temas como integração, diferenças sociais, xenofobia ou racismo e o regresso para terra dos pais. Por outro lado, a linguagem da narrativa não é tão crítica mas antes é feita de forma expositiva com um cheiro a poesia das palavras.

O documentário consegue colocar questões que nos fazem pensar que caboverdeanos nascidos fora de Cabo Verde podem estar em constante problemas de identidade: em Portugal são caboverdeanos e em Cabo Verde são portugueses. “Identidade Repartida” pretende ser encarado como um subsídio para se entender o sentimento dos caboverdeanos das gerações subsequentes – alguns que nunca conheceram Cabo Verde – e ser discutido num contexto de compreensão do “outro”. 

Um aspecto menos conseguido do documentário é a deficiente captação de som em algumas entrevistas mas que não tem relevância porque é possível seguir-se os 22 minutos do filme por completo sem se perder. A montagem está bem conseguida com a mistura de planos abertos quando o narrador faz a exposição e a transição para os planos médios das entrevistas com bons enquadramentos. 

Vale a pena assistir “Identidade Repartida”.

FICHA TÉCNICA
Título: Identidade Repartida
Realização e camera: Artemisa Ferreira
Edição e montagem: Artemisa Ferreira
Gênero: Documentário
Duração: 22 minutos
Ano de Lançamento: 2013, Portugal


0 comentários:

Enviar um comentário

 
Design by Wordpress Theme | Bloggerized by Free Blogger Templates | coupon codes