27 de março de 2012

Ducha Faria, a dama do teatro crioulo

Ducha Faria
Maria da Luz Faria, 47 anos, é mãe, trabalhadora e actriz desde os 10 anos de idade. “Ducha”, como é conhecida, tem um percurso de respeito nos palcos crioulos, iniciado ainda quando fazia uma peça teatral com apenas uma luz e suplicava para que alguém lhe comprasse um bilhete. Hoje fala do espectáculo de luzes, da mudança do público e dos jovens que abraçam o teatro e das suas ambições. 


Actualmente pertence ao Grupo do Centro Cultural Português do Mindelo mas a sua carreira iniciou-se há muito tempo. Desde quando está no mundo do teatro? 

Praticamente desde criança que estou metida nesta história de palcos por causa da minha educação religiosa. Ainda pela altura da Independência, aos dez anos, subi ao palco no extinto cinema “Éden-Park” para declamar poemas e dançar “tchabeta”. 

Na realidade, em pequena, não era o teatro em si que me atraía mas sim o palco. Lembro-me que em pequena confessei à minha mãe o sonho de fazer a vida em cima dos palcos como bailarina, mesmo sem saber o que era aquilo. Ela disse-me que gostaria de me ajudar mas que, infelizmente, isso não era possível na nossa terra. 

Como foram os primeiros tempos no teatro? 

Quando comecei a entender e a fazer teatro as pessoas ficavam incrédulas e gozavam comigo: “O que estás a fazer? Esta venda de bilhete não vai dar em nada, hoje em dia já não se perde tempo com estas coisas.” Eu respondia “realmente, a venda de bilhetes não dá para nada mas garanto que não é perda de tempo”. O gozo daquilo não estava nos bilhetes. Com isso demos um exemplo aos mais jovens e mostramos que este pode também ser uma ocupação útil para a juventude. É verdade que ainda hoje pouco ou nada ganhamos a nível monetário com o teatro, mas quem sabe se meus filhos ou netos não venham a lucrar (risos). 

O que mudou no teatro desde esses primeiros tempos? 

Muita coisa. Os nossos horizontes alargaram-se com os novos canais de televisão, por exemplo. Começamos a assistir trabalhos de arte cénica com outra qualidade e que desejávamos fazer também. A exigência pessoal tornou-se maior para os actores e encenadores. Hoje as exigências são outras e mesmo na área de iluminação temos até espectáculo de luzes dentro de uma peça teatral enquanto no início era uma ou outra lâmpada para acender e apagar. 
"Bodas de Sangue", foto de João Barbosa

Lembro-me que, em 1992, fui com o grupo “Maravilha”, dos Salesianos, para um festival de teatro no Burkina-Faso e tínhamos aquilo que chamávamos de “perseguidor”. Era uma pessoa que perseguia o actor com a única luz por onde ele fosse no palco e aquilo era considerado uma grande coisa para nós. Agora veja só como tudo mudou. 

Já são muitas as peças teatrais em que participou. Qual a que lhe marcou mais? 

Isso já é complicado porque gostei de todas as peças em que entrei. Cada uma marcou-me no momento em que foi levada à cena e quando temos que partir para outra personagem temos que voltar a envolver-nos. Reconheço, contudo, que foi uma grande tensão quando fiz “Casa de nha Bernalda” porque tinha uma vedeta portuguesa e era uma preocupação para não fazer feio perante alguém tão famosa. 

Quem era essa actriz famosa? 

A Guida Maria, uma actriz de alto patamar em Portugal, e nós aqui uns amadores, iniciantes diante dela. 

E como foi contracenar com alguém com tanta experiência? 

Bom… acabámos por esquecer a diferença de experiências e nos envolvemos todos no mesmo projecto. No final deixou de existir a desigualdade porque cada um deu o que tinha para dar. Tendo em conta as críticas da imprensa e do público a peça foi bem aceite e eu fiquei basofa (risos). 

Já representou para um vasto número de pessoas. O que mudou em termos de público desde que começou até agora? 

"À Espera da Chuva", foto de João Branco
O público mudou muito. Antes, o teatro era frequentado mais por pessoas religiosas porque a maioria das peças eram apresentadas nos Salesianos. Depois com novos grupos e o Mindelact o público tornou-se mais amplo e mais exigente. Nessa altura encontramos o grupo Juventude em Marcha que já trabalhava e tinha o seu público bem cativado. Lembro-me que quando tentava vender meus bilhetes as pessoas perguntavam logo se iriam rir muito durante a peça. A minha estratégia era dizer que iriam rir um pouco mas que não era tanto como no Juventude em Marcha porque o nosso estilo de teatro é diferente. Foi uma batalha dura mas conseguimos ganhar. 

Agora as coisas estão mais diferentes… 

Muito mais. Veja, antes eu dava o bilhete com o compromisso de que se a pessoa não gostasse ela não pagava a entrada; mas, se gostasse, ficava logo o compromisso de comprar bilhetes para o próximo espectáculo. No fundo, já sabia acabava por receber meu dinheiro porque acreditava no nosso potencial. Depois as coisas mudaram tanto que as pessoas passaram a abordar-me na rua reclamando que há muito tempo que não lhe vendia bilhetes. Agora, se houver uma peça do nosso grupo, já sei que há um bom número de pessoas certas que posso contactar e avisar que estou enviando bilhetes. Isto é prova que o público começou a assistir outro tipo de teatro que não seja somente comédia brejeira e tornaram-se mais exigentes nas críticas. 

Mas em que pé está o teatro em São Vicente? 

O teatro em São Vicente tem presente e tem futuro. A minha finalidade é trabalhar desinteressada da parte financeira – o que não quer dizer que se aparecer dinheiro não vou negar. Mas quero labutar para que meus filhos e netos encontrem um teatro mais crítico e cimentado e como uma opção da vida profissional. Isto é possível porque nossa terra tem gente de talento, não só no teatro como na arte em geral. 

Neste momento há muitos jovens que abraçam as artes cénicas em Cabo Verde. São na sua maioria jovens talentos ou ainda há muito por fazer? 

"Auto da Compadecida", foto de João Barbosa
Reconheço que ainda há muito por fazer, mas é um motivo de alegria ver tantos jovens nesse mundo do teatro. Agora, mesmo que muitos deles saem da formação de iniciação teatral, isto não significa que todos devem estar em cima do palco. O teatro é um mundo vasto e há coisas que se pode fazer nos bastidores e também como um simples espectador para aprender com aqueles que estão em cima do palco. 

Durante o período que seu marido (José Faria) esteve à frente da Câmara Municipal de São Vicente tivemos uma primeira-dama como actriz. Como foi essa experiência? 

Não o senti (risos). Isto porque é cada coisa no seu lugar. A partir do momento que se entra no palco é-se actriz ou actor. O resto é a vida do dia-a-dia. 

Já pensou em largar o teatro? 

Ainda não pensei nisso. Mas já estive cerca de três anos fora dos palcos para terminar minha licenciatura e aquilo magoava (risos). Era uma saudade, principalmente quando assistia a uma peça do meu grupo e via meus colegas em cena. Nesses momentos ficava como um bichinho inconformado. Depois deste tempo regressei com o “Bodas de Sangue” e ao que parece foi um bom trabalho e que deixou-me muito contente. 

Depois de tantos anos actuando, qual a sua ambição no teatro cabo-verdiano? 

A minha ambição é deixar a arte cénica mais implementada e estruturada… quem sabe profissionalizada. 

Mas o que falta para isso acontecer? 

Isso agora não me pergunte. Se mesmo lá fora dizem que viver da arte é um problema, imagine aqui em Cabo Verde. 





1 comentários:

Anónimo disse...

Unquestionably believe that which you said. Your favorite justification appeared to be at the internet the easiest thing to consider of.
I say to you, I certainly get annoyed while other folks
consider issues that they plainly do not recognise about.
You managed to hit the nail upon the top as smartly as defined out the entire thing without having side effect ,
people could take a signal. Will probably be back to get more.
Thank you
Feel free to visit my website - college football news

Enviar um comentário

 
Design by Wordpress Theme | Bloggerized by Free Blogger Templates | coupon codes