10 de agosto de 2010

Lembra-se de como se brincava Casamento Inglês?

Que a tradição já não é o que era, isso todos nós já sabemos. Hoje as nossas criancinhas perderam o hábito de ouvir e contar istórias. Melhor falando, os adultos perderam o hábito de contar essas istórias, para que depois as criancinhas pudessem recontá-las nas suas versões quer d’zer (supondo, fingindo que são as personagens).

Se é verdade que as crianças estão sendo bombardeadas com videojogos e desenhos animados em 3D, também é verdade que ainda assim elas gostam de brincar ao ar livre, sentindo o contacto uns com os outros. Mas mesmo assim, elas quase que não brincam os jogos tradicionais. E porquê? A razão é muito simples: elas não conhecem as regras ou os jogos.

Essa geração só pode culpar-nos de não termos transmitido essa herança extremamente rica. Porque não são os dirigentes e governantes os culpados da ignorância das nossas crianças quanto aos nossos jogos tradicionais. É esta geração. Estamos a ser egoístas com os esses pequeninos, negando-lhes o prazer de jogos que na nossa infância tanto disfrutamos.

É triste saber que há pessoas que passaram anos a brincar, a rir e a criar amizades para toda a vida – e namoros também – e que hoje não se lembram de jogos como Senhor Barqueiro, Trouxes Carta., Saltar ao Eixe, etc.. é uma amnésia colectiva que levará à completa extinção dos jogos tradicionais, substituidos por telemóveis, desinteresse pelo próximo, videojogos e alienação da realidade caboverdeana.

Repito, esta é uma geração egoísta. Brincou, divertiu-se, criou laços de amizades, beijou e brincou Papá ma Mamá, mas hoje está negando esse privilégio aos mais pequeninos. A falta de electricidade era desculpa para se estar na frente da porta ouvindo istórias. Hoje ainda temos problemas de electricidade, mas a vontade de conviver parece ter diminuído.

Jogo: Primer ao Eixe

Uma criança fica curvada, com as mãos nos joelhos. As outras, em fila, vão saltando por cima dela, de dez formas diferentes. Objectivo: conseguir saltar por cima da criança quando ela estiver no seu ponto mais elevado, mantendo-se encurvada, com as mãos nos joelhos ou nas pernas.

Regras:

Primer ao eixe: é o salto livre.

Segunda ketutumba: antes de saltar, tens que bater com uma mão no rabo da criança.

Terceira kzuleika: depois de fazer o salto, tens que aterrar no chão com os pés cruzados.

Quarta rastapata: durante o salto tens que arrastar o rabo nas costas da criança.

Quinta aos picos: durante o salto tens que bater com o pé no rabo da criança.

Seis dedos nas costas (a partir daqui, vai até dez dedos nas costas).

Nem imaginam a dificuldade que tive para encontrar alguém que se lembrasse, primeiro do jogo, depois das regras. Foram precisas dez pessoas e nenhuma lembrava-se das regras por completo.



Será que teremos que transferir mais essa responsabilidade às escolas? O encargo de preservar os nossos jogos tradicionais (quem diz jogos, diz cultura) terá que ser institucionalizada? Se assim for, talvez esses jogos divertidos poderão perder a graça? Imaginam uma criança ter que brincar ao Casamento Inglês ou Macaquinho Chinês por causa da nota para passar de ano?


Publicado no Jornal NhaTerra Online

10 comentários:

walter lima disse...

ok é só para te dizer foi bom ter dado uma olha dela nesta pagina .
e para te ar uma força .
ya ok fca dret um abraço



waltings

João Carlos disse...

Um jovem talentoso a despontar
Mais um óptimo artigo, assinado por um jovem que promete. Gostei especialmente da forma corajosa e bastante observadora como colocou a "culpa" das coisas estarem como estão, em nós os pais. Realmente o desleixo é nosso. No outro dia mesmo fiquei "indignado" pelo facto da minha filha de 10 anos não saber como se descasca mancarra. Achei o cúmulo, mas pensando bem, a coitada nunca viu ninguém descascar e o pai nunca se deu ao trabalho de mostrar.

Parabéns pelo artigo. Reforço novamente, mais um de um jovem talento que desponta. E não só a nível do jornalismo desportivo. Na minha opinião pessoal, o Odaír tem conseguido "brilhar" também em outros campos da sociedade, apresentando uma qualidade técnica e de conteúdos muito boa.

Daqui a 30 anos, quando ele for uma referência do jornalismo nacional, poderei dizer que tive o privilégio de acompanhar os seus primeiros passos, lendo as suas primeiras publicações.

Votos de muito sucesso.

Énio Martins disse...

Maravilhoso.
Mais uma do Odair Varela, espetacular. Soubeste de uma forma inteligente e sem ferir ostelidades, criticar os responsaveis pela educaçao das crianças e a falta de convivencia Social que Existe hoje em dia na nossa sociedade. Eu acho que estamos a diante ou na frente se preferirem de um grande Jornalista despontando. Se nao es ainda ou nao o podes ademitir pela tua humildade seras no futuro e uzando uma expressao que nao se ouve hoje pelos mais jovens "se Deus quizer m' nine" . Força

daivarela disse...

Isso sim, são elogios. Muito, muito obrigado.
Mas só daqui a 30 anos? (tou a brincar...)
Vou continuar a esforçar-me para conseguir chegar lá.

Célia disse...

so entrei dois minutos para dar uma olhada, e ja estou aqui a uma hora! muito bom o blog! e sobre as nossas brincadeiras, por acaso me sinto culpada de nao ter deixado a minha irma mas nova ter participado das brincadeiras com os mais velhos, afinal quando chegaria a vez dela de brincar???!!! nha perdicao era kel jog k no tava arruma um bocod pedra em cima d outro e fuji pas ca da gent k bola de meia, hehehe jam ca tita nem lembra se nome!

daivarela disse...

Célia
è por querer partilhar experiências com pessoas como tu que tento fazer sempre meu melhor aqui no blog.
'brigada pela visita e volte sempre.
PS: o jogo se chama 'currida a pau'

NG disse...

oh day, nera na 4ª rastapata que gent tinha k passa pe na rabiosque de kel ot?

uhmmmm, quase sim emmm (arasta-a-pata)

daivarela disse...

na minha zona era assim...

Suzy Fortes Ramos disse...

ainda hoje um comenta ne "esquina do tempo" sobre que brinquete de diazá, moda corre de lata, bola de meia, boneca de trapo, era uns brinkede k no tava faze k nos mon, quel vez q tinha chines, era tao bom q alem de diverti no tava desenvolve nos criatividade e no tava recicla, bons tempos, um tem apenas 21 one, ma um brinca tud esh brincadera tradicional, desde currida pau, primera ao eixe, mae gatchada, perdao sr comandante, panhada, banana, em fim einda tem mas um bocod, infelismente ess geraçao de agora é so game e brinkede de chines, que pena,.
conde mim ma nhes colega t faze passeio p praia ou comp, sempre no te brinca moda bolinha, makaquinho chines, perdao sr comandante, etc

Dai ess blog de bosa é mut visiante, disconte um t li,
Parabens, continua,
continua t divulga nos hip hop criol, no tem bons rappers, moda HIP HOP ART
brigado

daivarela disse...

hehehhehe, viciante, nem? Sebim.
Um te espera k bo te continua te privilegiam com bo visita. 
Bijim

Enviar um comentário

 
Design by Wordpress Theme | Bloggerized by Free Blogger Templates | coupon codes