6 de agosto de 2010

Benfica ou Selecção Nacional?


Grupos de jovens caboverdeanos reunidos, de peitos inchados a discutirem em altos berros. Sim, estão a falar de futebol, mais precisamente de futebol português. Correcção, do Benfica.
É curioso, no mínimo, o comportamento de certos caboverdeanos depois de um jogo importante da equipa encarnada. São jovens despidos com a camisola ao ar, ajoelhados ao chão em sinal de reverência, embriaguês, distúrbios do trânsito, barulho e fanatismo. Dependendo da situação, foguetes nos céus de Cabo Verde.
Noutro extremo, temos a nossa Selecção Nacional de Futebol. Quando joga uma qualificação conjunta CAN/Copa do Mundo, esses mesmos jovens caboverdeanos mostram-se indiferentes ou desconhecem o acontecimento. Quando estão a par do jogo, as suas opiniões são quase sempre negativas ou desdenhosas. 
Se todos eles sabem qual a mascote do Benfica, poucos sabem que somos conhecidos como os Tubarões Azuis. Porque será que quando joga um dos grandes portugueses, os jovens caboverdeanos fazem de tudo para o assistir? Pagam bilhetes em bares com parabólica, gastam os megas da Internet, fazem apostas absurdas e desfazem amizades.
É uma triste aculturação dos jovens caboverdeanos. Temos um fanatismo doentio por equipas de um país que nos dominou durante séculos e que depois votou-nos ao esquecimento nos seus manuais de História. Grande parte dos jovens estudantes portugueses desconhecem a localização de Cabo Verde num Mapa-múndi. Depois de termos sido colonizados por Portugal, hoje muitos portugueses sabem da nossa existência porque há caboverdeanos nas terras lusas. Enquanto isso, somos mais benfiquistas do que um lisboeta.

Não há nada de errado em ser-se adepto de uma equipa estrangeira. Mas desprezar o que é nosso porque somos pobres é triste. Se não apoiamos a nossa equipa por sermos fracos, mais fracos seremos. É um ciclo vicioso.
Mas qual a explicação para esse fenómeno? Talvez se possa culpar a comunicação social, por dar preferência ao desporto português em detrimento do caboverdeano? Talvez, mas as pessoas são (supostamente) livres de pensar, avaliar e decidir para onde dirigir – ou não – o seu apoio. Há que reconhecer que é difícil ao jovem crioulo não se “contaminar” com a aculturação, quando ouve um jornalista caboverdeano a referir-se à selecção portuguesa como “a Selecção Nacional”.

Acredito que as perspectivas não são boas para o deporto caboverdeano. Parece-me que a comunicação social continuará a ignorar ou menosprezar os nossos feitos e atletas (com ou sem deficiência) e continuarão a pagar com o dinheiro do contribuinte para comprar imagens de jogos e atletas estrangeiros. Mais, a situação de aculturação tenderá para o aumento com a disponibilização gratuita de canais portugueses para consumo do povo de Cabo Verde.
Se tivesse de optar, preferia ver o Benfica campeão ou ver Cabo Verde qualificado para a Copa das Nações Africanas?

Publicada (também) no Jornal NhaTerra Online



34 comentários:

Badiu Brabu disse...

Totalmente de acordo com o autor deste texto, eh preciso nu da mas valor a nos futebol, eh incrivel mo ki cabo-verdiano ta sofre e torce pa equipas portuguesas mais do que propios portugueses RIDICULO...eh por essas e por outras que hora ki parci rolando(s),nani(s), nelson(s) ta opta pa naturaliza portugues, ess sigue mesmo linha de pensamento di kes ki dipos ta bem criticas, eh caso para dizer macaco ka ta djobi pa se rabo

Ralão disse...

Excelente texto Odair.

Esta tecla vem sendo tocada há muito tempo..., infelizmente não houve qualquer mudança desde que se começou a falar sobre a mente colonizada dos Cabo-verdianos.

Como mencionastes aqui e bem, mais da metada da população portuguesa desconhece onde fica Cabo Verde. Durante a minha juventude, desde da escola primária até chegar ao Liceu, o meu pai me levava a Fontinha, onde ia assistir todos os finais de semana jogos do campeonato de S. Vicente, coisa que faço até hoje. Notícias do desporto português só na rádio nessa época.

Quando ainda havia campeonato no campo da torrada, vi dirigentes a deixarem de ver jogos da própria equipa para ir assistir jogos do campeonato português, é um autêntico absurdo, impensável uma situação destas...

Neste final de semana último as equipes de voleibol queriam adiar a hora dos jogos do campeonato de volei de S. Vicente por causa do jogo Porto x Benfica, eu como presidente disse-lhes que se fizessem isso abandoraria o cargo de presidente, porque é inadmissível tal atitute, e principalmente por ser uma modalidade que não tem nada a ver com o volei.

Os campeonatos de cada país devem ser alterados os seus respetivos jogos só se a seleção dos mesmos estiverem a jogar nesse horário.

Como disse aqui, é um absurdo quando a comunicação social do estado paga os jogos com o dinheiro dos contribuintes, contribuindo para a promoção do desporto estrangeiro, isso não exsite...

Eu desisti há muito tempo de tentar convencer muitos conhecidos e amigos meus de que devemos primeiro priorizar e apoiar o que é nacional, ou seja, ir a fontinha, ao polidesportivo, etc.... Esse trabalho deverá ser feito por cada equipa com as crianças, em todas as modalidades esportivas, acho que deveria ser um objetivo nacional, fazer com que as crianças criem a satisfação de apoiar tudo o que é nacional, não desprezando o internacional...

Graças a deus o nhaterra tem sido um dos parceiros na introdução de uma nova forma de fazer jornalismo, é de parabenizar o valor e a prioridade ao que é nacional.

Arsénio disse...

Gostei do texto e toca num assunto que diz respeito a todos nós, enquanto cabo-verdianos.
Mas para isso, poderiamos ficar aqui a falar do nosso sentido de cidadania, de orgulho nacional e muitas mais. Até daria exemplo do Brasil, que até em jogo de "games" vestem a camisola da selecção brasileira.

É triste e lamentável o que assistimos aqui em Cabo Verde, seja na rua, seja na comunicação social. Mas quando um jornalista nosso diz "nossa selecção" e se refere à portuguesa, eu até diria que não é por considerar sendo sua (selecção), mas sim a sua falta de preparaçao enquanto jornalista, porque está a ler (copy paste) uma notícia tirada num jornal portugues pela internet e nem se dá ao trabalho de refazer o texto. Preguiça mental, talvez.

Com fracos recursos, as nossas selecções andam a fazer milagres em várias frentes em que participam.
Mas quantos de nós sabemos quem é cabo-verdiano que joga nas equipas portuguesas?
Quantos de nós torçemos por esses jogadores, independentemente de equipas jogam?
Quantos de nós torçemos para o sucesso de Lito, Marco Soares, Nando, Ricardo, Celestino, Rolando, Sandro, Nhuck, Valter, Janício, Guy Ramos e muitos mais que estão na Europa?
Quantos de nós torçemos para o sucesso de Sténio (Académica), Dario (Ponta d'Pom), Fock, Kadú e muitos mais que evoluem no nosso país?

Ralão disse...

Os absurdos continuam, estamos em pleno campeonato nacional e a TCV faz o marketing do jogo Benfica x Rio Ave, como se fosse um jogo de maior importância que a nossa competição.

Como disse o Arsénio e bem, no Brasil há torcida até para jogos de botão, e olha que não é exagero, eu estive lá cinco anos a estudar e fui duas vezes de férias, não há competição internacional que tire o brilho ou tome o lugar dos campeonatos estaduais e do brasileirão. O mesmo acontece na Argentina e noutros países da América Latina..., ah como eu gostaria que o nosso povo tivesse espírito nacionalista como os Sul Americanos!!!!!!

Apesar de todos os times brasileiros terem parceriais com times estrangeiros, mas nunca colocam esses mesmos times em primeiro lugar... Aliás jamais uma televisão do estado iria priorizar uma competição internacional (campeonatos de outros países) em relação ao deles...

Eu deixei há muito tempo de tentar convencer as pessoas que devemos valorizar o que é nosso... tento agora sensibilizar os meus alunos ou as crianças com quem vou convivendo. Mesmo com estes é muito difícil porque em casa encontram essa mesma mentalidade nos pais do desprezo pelo que é nacional, aliás a própria comunicação social, graças a deus o nhaterra não, contribuem fortemente para esse comportamento.

Eder Semedo disse...

Os meus sinceros parabéns ao jornalista Odair Rodrigues, e espero do fundo do meu coração que muita gente leia este artigo e perceba a vergonha que muitos de nós somos enquanto cabo-verdianos, e desprezamos os NOSSOS clubes e a NOSSA selecção, em prol do desporto estrangeiro.

Felizmente desde criança, teria ainda uns 4 anos, que o meu pai me levava todos os fins-de-semana ao Estádio da Várzea, ao Campo do Côco ou ao Gimno Desportivo (actual Pavilhão Vavá Duarte), para acompanhar tanto a 1ª como a 2ª divisão de Santiago Sul, como as modalidades de Pavilhão.

Hoje, quando os jogos da Várzea coincidem com encontros da Liga Inglesa, por exemplo, a Várzea está quase vazia. Se perguntarmos a qualquer cabo-verdiano qual o seu clube, 999 em 1000 dirão o nome de um clube português, e a esmagadora maioria não conhece os jogadores da nossa selecção. Eu sou dos que sofrem pelo Lito, pelo Marco Soares, pelo Stopira, pelo Valter, pelo Dady, pelo Ricardo, e também dos que, mesmo estando em Portugal, fazem tudo para ouvir as Tardes Desportivas da RCV aos fins-de-semana, apesar de todas as suas deficiências. Mas quantos de nós fazem isso? Jornais como o "A Semana" dão imenso destaque a Nani, por exemplo, mas raramente destacam a prestação do Capitão dos Tubarões Azuis, Lito, no último jogo da Académica de Coimbra. À excepção do Nha Terra, o futebol nacional é ignorado pela imprensa nacional. O que é uma VERGONHA!!! Durante o Mundial 2006, e enquanto a NOSSA selecção jogava na Várzea com a Gâmbia (eu até marquei as férias de forma a não perder esse jogo...), a porcaria da televisão do Estado (é verdade) transmitia um jogo da Copa, sendo que o encontro dos Tubarões Azuis foi transmitido em diferido, à noite. Em qualquer nação com o mínimo de amor-próprio, isso era motivo para que cabeças fossem cortadas na nossa televisão, mas em CV... "no pasa nada", até aposto que muitos ficaram contentes por poderem ver a "sua" Alemanha, o "seu" Brasil, ou a "sua" Cochinchina em directo.

Há cabo-verdianos que só são projectos de patriotas na hora da sabura, nessa hora Cabo Verde ê sáb, ou sabi, dependendo da ilha de origem. Quando a nossa bandeira está em jogo, quando o nosso hino é cantado (devemos ser o país em que menos pessoas sabem o hino e têm problemas em cantá-lo a plenos pulmões, seja por motivos políticos mesquinhos que deviam estar mortos e enterrados, seja por falta de nacionalismo), Cabo Verde ê kabali, portanto vão sofrer por Portugal e Companhia, GENTINHA com mentalidade de ESCRAVO.

PS: peço desculpa se me excedi, mas esse é um assunto que me tira do sério... cada vez que encontro um cabo-verdiano adepto de futebol (estrangeiro...) que nem sabe quem é o campeão nacional ou com quem vão jogar os Tubarões Azuis, só me apetecia poder rasgar-lhe o passaporte.

Valódia Monteiro disse...

Mais uma vez congratulo-me com o trabalho que o nhaterra está a desenvolver. Parabéns à equipa! !
Como forma de me aliar a o que se escreveu sobre esse assunto deveras incomodativo e preocupante, trago alguns subsídios que espero que sejam utilizados para reflexão:

Alguém se lembra de quando vencemos a Taça Amílcar Cabral no ano 2000?
Não, ou, pelo menos, pouquíssimos.
Alguém se lembra da festa do título de campeão de Portugal pelo Sporting CP na época 2009/2010?
Milhares de pessoas.

Essas efemérides tiveram lugar no mesmo dia e, não pela minha filiação clubista, mas esse foi um dos piores dias da minha vida como cabo-verdiano.
Não imaginam a tamanha tristeza que eu senti: Cabo Verde e o seu feito histórico foram relegados para um ínfimo plano.
Pese embora esse facto, não me surpreendi com essa manifestação.

Todo o crioulo é assim: um ser indeciso; não sabe quem é: se é preto, se é branco, se é mestiço. Sofre de uma crise de identidade enorme. Sofre do “Complexo de Édipo” : mata o pai para querer ficar com a mãe.
Não vou dizer para sermos indiferentes a um resultado de um clube português ou mesmo da selecção portuguesa. O que se põe à baila são questões ligadas com a identificação, com a comunhão, com a cumplicidade. Quem somos? O que somos? O que queremos? Quais são os nossos valores?
Somos fúteis e bastante vulneráveis. (Podem chover apupos, granadas, estalos, socos, olhares enraivecidos, gritos histéricos).
Pergunto: Com quem nos identificamos? Com um clube da nossa ilha? Com o nosso país?

Cabo Verde é um país desprovido de referências e, se elas existem são nomes folclorizados ou politicamente apetecíveis e rentáveis que constantemente são atirados ao lume (poderia avançar com alguns nomes, mas não será necessário pois já são conhecidos – alguém já fez esse trabalho. Não me perguntem com que objectivos).

Vivemos numa desmesurada euforia e fanatismo clubistas frutos da nossa fragilidade, da nossa debilidade, da nossa vulnerabilidade.

Um abraço a todos!

Ralão disse...

Adorei os comentários de todos.

Caro Eder Semedo, você não exagerou, é isso mesmo que está acontecer em Cabo Verde, eu desisti há muito tempo de tentar convencer as pessoas, mas vou tentando com os meus alunos e crianças.

Neste momento estou aqui na escola onde leciono e parece que com estes jovens aqui já perdemos mais uma, é uma afronta de tantos jovens sem identidade, agora é tentar com aqueles que estão na escola primária e infantário.

Na minha opinião a mente colonizada dos Cabo-verdianos vai continuar por mais de 25, ou quem saiba, mais de 50 anos...

Não estou a dizer que uma pessoa deixa de torcer por um clube internacional, mas tem de valorizar primeiro o nacional, em qualquer país do mundo é assim.

Mais uma vez, como gostaria de sermos nacionalistas como os países da América Latina, Central e do Norte!!!!!!

Amílcar Tavares disse...

Consigo perceber esses fanáticos pelo futebol luso pois o nosso é completamente amador e não há uma cobertura jornalística profissionalmente planeada do nosso campeonato e da nossa Selecção Nacional.

Basta reparar na notícia que vinha n'A Semana sobre a convocatória para o próximo jogo da nossa Selecção, que é contra Pontugal: foi copiada no jornal luso A Bola!

Claramente, se a nossa comunicação -- que devia formar e informar os seus leitores -- não se empenhar nisso, daqui a um ano, daqui a dez anos, os factos relatados neste artigo, naturalmente, suceder-se-ão.

Paulo Santos Silva disse...

APLAUSOS pelo teu artigo !! De facto é parte da comunicação social culpada dessa alienação. Com a excepção de Nha Terra os jornais quase que ignoram o desporto nacionale. O que eles tem como títulos da secção de desporto é basicamente "Copy & Paste" de jornais desportivos portugueses.

Daniel disse...

A naturalidade não se adquire somente a nacionalidade.

Samira Chantre disse...

Varela estou completamente de acordo com o que acabaste de escrever porque isto é mesmo uma realidade, e que tocaste num assunto que é muito importante para nos os CABOVERDIANOS. Temos é que dar mais valor no que é NOSSO...

Samira Chantre

evandro disse...

Concordo em absoluto com o texto mas Odair (permite-me que o trata por tu, como colega de profissão) é a própria comunicação social nacional que não faz nada para valorizar o que é nosso. Tirand o nhaterra, nenhum dos outros órgãos on line (falo dos que tenho acesso) NUNCA fizeram uma crónica de jogo, com tudo incluído: crónica da partida, como foi, intervenientes, público, visão dos intervenientes no final do mesmo.
Não há fotos, não há vídeos, não há entrevistas ao longo da semana, não há nada. Temos um campeonato nacional a decorrer que vai ser engolido pelo Mundial.
A selecção foi e será sempre uma feira de vaidades, mais um campo da luta s.vicente/santiago. Ainda bem que cada vez menos atletas a jogar no territorio nacional sao chamados. Digo ainda bem porque assim poupa-se nas guerras entre mindelo e praia.
Se o público não tem essa cultura de se interessar pelo que é nosso, cabe a nós jornalistas mudar essa cultura. Mas infelizmente apenas o nhaterra anda por esse caminho. Os outros querem é tacho, querem é manter o status quo e não se cansar muito com essas coisas ca da terra, que isto dá trabalho.

Parabéns pelo seu artigo e pelo trabalho que vem desenvolvendo aqui no nhaterra.
Abraço pa ti e para o Xuster.

Carlos Mendes disse...

Um coluna escrito ja ha algum tempo,mas cheio de elegancia e merito.
N ta spera ma n ta tem bencao de autor jornalista Odair Rodrigues,Xuster e tudo staff de Nhaterra.com.cv.
Na nha opinion keli e momento oportuno pa mais Criolos tem chance de ler kel trabadju li cheio de qualidade.

Nivas Sabidelmundo disse...

Keli é um autentico vergonha...ninguem ka sta pide pa caboverdianos dexa di acompanha ou sofre pa equipas portuguesas pois kel mentalidade colonial li dificilmente ta desaparci...ma como é possivel caboverdianos ka da a minina pa nos propio seleção??dja nem ka fala na nos clubes...MESTI MUDA

Eder Shamir Semedo disse...

Artigu la e espetákulu i e ta kontinua atualissimu! Sima Nivaldo fla, kel mentalidadi colonial sta ton enraizadu ki e difisil tra-l, ma e un vergonha ki munti kabuverdianu nen ka sabi kenha ki e campion di CV, ou vice-campeão, má es sabi di cor i salteadu timi di Benfica, Porto ku Sporting, sen fala na desconhecimento sobri nôs seleson.

Zito Pina disse...

Grandi artigu ki infilizmenti ti oxi inda e ta rifleti nos realidadi desportiva e nao so. Inda onti n sta falaba ku um amigo ki ta konsidera si kabeca um fanatico pa desporto. Pa nha spanto e ka tinha o minimo idea ma Nos Selecon ta juga um jogo importantissimo di apuramento pa CAN es fin di simana. Na nha opinion e ka pamodi falta di informacon. Informacons sta la. E so procura. Apesar di tudo dificuldade alguns di nos jornais sta konsegui fazi um kobertura adequado (embora com muito a desejar). Mas kel mentalidadi ma di nos kabali tem ki muda. Nu tem ki valoriza o ki e di nos. Forca CV. Rumo a CAN.

Bruno Da Moura disse...

Na Braga: ultimo amigável entre CV e Guine (na Lisboa) anos é pouco (contado na dedo) ke faze esforço pa odja jogo na net. Amigável entre Portugal e Espanha li na residencia und tem mas de 50 cabo-verdianos kel dia ka tinha lugar de chinta na sala pmd tudo alguém staba ta gritaba: CR7, C. Martins, Postiga e J. Moutinho. Depos es ke cabo-verdiano de corpo e alma e português só racista.

Eder Shamir Semedo disse...

Bruno: li na Lisboa e IGUAL. Studantis krioulu e patriota so na ora di festa.

Elton Alves disse...

ami nha opiniao atxa me um paixao diferente pa selecao e pa clube...mas con tudo nhos tem razao alguem sta ser pouco patriota... nta espera ma horas ki nos selecao txiga ao alto nivel ma txeu alguen ta bem odjal ku otu odju ki e mal go nu tem k apoia nos selexao na tudo momento pe alcanxa se objectivo... cabo verde sempre...RUMO AO CAN

Helio Amarante disse...

sem duvida k mesti muda,e nu mesti da mas valor a o ke di nos...mas antes maior culpado e nos comunicaçao social k ca ta djuda..asemana secçao de desporto ta teni mas noticia sobre campeonato portugues...do k campeoato d cv...mudança tem k comexa apartir de comunicaçao social..

Edder Pereira Monteiro disse...

Kuzé ki bu ta spera di um pais ki tem um presidente ki ta fla: "Espero que não percamos por muitos". ...

Helio Amarante disse...

ahahaha pois.dia k nos futebol comexa ta tem destake na mundo intero..bu ta odja si td caboverdiano ca ta resolve apoia...infelizmente nu herda munti feitio d merda d portugeus..nu sabi apoia so hora nos ekipa sta la d riba

Xuster Fonseca disse...

Hélio, ma empresas ta anuncia é na A Semana e cabu-verdianus ta elegés como jornal di más confiança. Kem ta valoriza uké naciunal ka ta consigui um único banner publicitário pa podi aumenta e midjora si trabadju. Dirigentis també mesti tem otu mentalidadi. Onti imprensa interu bai di manhã cubri treinu di seleçón. Ka tivi treinu e nem ninguem pa dá um satisfaçón. A mi um ka bai cubri ótu assuntu pamodi um dá prioridadi a seleçón, um perdi tudo dós.

Xuster Fonseca disse...

Tudu alguem ta culpa CS, ma nhos ka sabi kuzé ki nu ta passa. Um tenta combina ku Calú ki é novu na Tubarões Azuis, pa fazel um entrevista pa psoas podi conchél é ka mostra minimamenti interessadu. Por issu ás vez um ta intendi pamodi tem jornais ki ta poi nutícias disportu strangeru. É mas fácil e bu ta fica livri di um munti constrangimentu, inclusivi bu ka ta corri riscu di ser agredidu

Helio Amarante disse...

nta confexa ma mi nca era leitor d nhaterra, e so npaxa ta entra na el dipos kin comexa ta le bus comentarios li na forum...e logo na inicio pelo menos na pagina desportiva um nota logo diferenxa na ktidade d noticias sobre futebol nacioal.em relaxao a kes otus jornal d cv..e hoje mi e um leitor frekuente nta acessa td dia...por ixo nta retifica nha comentario anterior..cs "asemana", "liberal" k segundo bu fla, kel primero criolu ta eleges como o d mas confianxa...o kin ta discorda um poku asemana e kel ke moda.anos nu tem dificuldade na aceita kusas novos..keli e um facto..por ixo nu ta caba sempre pa da preferencia a kel ke mas antigo,k e o caso d asemana

daivarela disse...

Agora no te espera um melhor acompanhamento de TV e RCV Online, agora k ex investi txeu dnher. Nes jog um kre oia inovação e se um k consegi oiá jog, um te esper k RCV Online tenha kes melhores jogadas e golos (de CV) na site

Xuster Fonseca disse...

Nha Terra é um jornal ki foi criadu pa valoriza uké naciunal na tudu área, só ki otus instituição ka ta dá valor a kem kré valuriz ú naciunal. Um teni kuazi três anu ta tenta consigui publicidadis di empresas pama podi expandi jornal e 95% nem resposta ta dá. Nu ta funciona kú 0$$00 di orçamentu,ma mesmu assim nu ta luta pa fazi informaçón naciunal. Ami um ta xinti comprometidu ku causas di CV, pamodi mi é 100% cabuverdianu e um fazi cursu di Jornalismo na Brasil, ku dinheru di impostu di cabu-verdianus. Por isso um ta sigui ta luta pamodi um sabi um sta na caminhu certo

Helio Amarante disse...

podes crer ma bu sta na caminho certo.forxa pa nhos.

Xuster Fonseca disse...

Odiar Varela já entra na nós Fórum, él é um jovem estudante de Jornalismo ki tem um mentalidad diferenti pa midjor e ki djuda Nha Terra cresci tcheu fazendo coberturas sem cobra um centavu, ta screvi artigus. Jornalistas mó él mesti más incentivu e espaçu porque é tem talentu. Goci cada dia más sta surgi jornalistas comprometidu ku Cabu Verdi, agora precisa é espaçu pa esh e pa esh també podi cria prujetus pois CV tem tcheu a ganhar ku esh

Zito Pina disse...

100% di akordu ku bo Xuster.

Nivas Sabidelmundo disse...

Ali mas um bom razão pa nhos continua obcecado ku futebol portugues e despreza di nos... http://www.youtube.com/watch?v=pTTGEhD1moY&feature=related

C.MR.86 disse...

É vergonhoso qdo ouço diversas opinioes bastantes negativas sobre nossa seleção e sem fundamento nenhum .Tudo q tem a ver com o futebol caboverdeano é mediocre segundo opinião de muitos  caboverdeanos ignorantes pq eles nunca vão entender o nosso desenvolvimento depende de nós, basta cada um fazer a sua parte com muita humildade.     Olha DAI, concordo plenamente contigo excepto  este titulo (BENFICA OU SELEÇÃO) porque actualmente há uma revolução de fanáticos espontaneos : real m. , barcelona,manchester city ,united, cristiano ronaldo,bolloteli etc... Agora a coisa está mais feia

daivarela disse...

verdade, nha broda. O futuro ta mesmo sombrio

Batista disse...

Nem precisa ir longe, mesmo a musica e artistas caboverdeanos sofrem desse flagelo. Basta perguntar: em cabo verde ou estrangeiro, qual desses em que Cesarea evora ganhou mais premio de reconhecimento? A resposta é obvia no estrangeiro.Porque? porque nos temos o pessimo habito de valorizar aquilo que não e nosso. Desprezando, e ate mesmo ridicularizando o que realmente nos pertence.Culpado é quem? comunicação social, globalização tem formatado a forma de pensar dos jovens , e falta de visão de muitos. Não a nada de errado em ser adepto de uma equipa o errado e seromos comandados como inabeis mentais até no ponto de matar por uma equipa.

Enviar um comentário

 
Design by Wordpress Theme | Bloggerized by Free Blogger Templates | coupon codes