13 de agosto de 2014

"Cães e jacarandá", jornalista critica viagem a Santiago em jornal espanhol


Alberto Lladó
Albert Lladó (Barcelona, ​​1980) é editor da Revista Artes e coordenador da seção LaVanguardia.com Cultura. Recentemente esteve na ilha de Santiago e descreveu sua experiência no jornal espanhol LA VANGUARDIA e publicada dia 9 de Agosto.


Veja o que escreveu:





Cães e jacarandá

Mais uma vez chegamos ao mercado SUCUPIRA com as suas portas a funcionar como uma estação improvisada. Estivemos a usar um táxi desde o hotel mas agora a palavra mágica, Tarrafal, elevou as expectativas dos motoristas que esperam na área. 

Assaltam diretamente o táxi, pegam-nos pelo braço, e cada um nos leva ao seu hiace (mini-autocarros). Durante os primeiros segundos não sabemos o que acontece, se estamos a ser assaltados ou se querem nos matar ali mesmo. Logo percebemos que estamos presenciando uma espécie de performance teatral. Insultam-se, acusam-se ​​de alta traição, e tentam juntar todos os tipos de argumentos para fazermos a viagem com eles. Não é como ir a Cidade Velha. Leva muito mais tempo, talvez 40 quilómetros de curvas e montanhas, e o preço é 500 escudos de ida e outros 500 de volta. 

- Tarrafal, Tarrafal - ainda estão gritando. 

Apenas entendemos a pressa para preencher os hiaces mais tarde. Não precisam ter a lotação completa - basta nove ou dez passageiros, no mínimo - para partir. Na verdade, desde que nos sentamos nos assentos traseiros, passou um longo tempo até que se inicie a viagem. Então, vamos estar parando ao longo do caminho no meio de uma estrada solitária ou na vila de Assomada. Os passageiros vão aumentando – nós somos os únicos brancos nesta sala dos Irmãos Marx a quatro rodas – mas acabamos por chegar até as vinte e quatro pessoas afrontadas, juntas, a cada desnível da estrada. Dragon Khan é para covardes. 

A urgência é, portanto, palavra estrangeira. Alguém vai obrigar o motorista a parar para comprar uma Coca-Cola ou completar uma missão. Normal. 

Finalmente, depois de duas horas, chegamos na cidade. Um campo de concentração abandonado e velho à nossa esquerda. Descemos na praça principal, em frente a uma igreja azul e branco, e saboreamos alguns dos poucos gestos de morabeza – a hospitalidade que se presume ter os cabo-verdianos – que encontramos ao longo do caminho. De resto, uma indiferença que agradecemos com o melhor dos sorrisos. 

Erramos na rua que leva à praia - algo difícil pelo tamanho do lugar - e chegamos a um bar rodeado com muitas piscinas naturais formadas por rochas pretas. "Não cagar", afirma a inscrição na rocha que lemos em uma pequena enseada. Indicação que se aprecia, é claro, porque nós estamos indo com os pés descalços e porque nada, neste momento, pode destruir o nosso sentido de ser o próprio Caspar David Friedrich observando o horizonte insondável. 

O sublime, porém, é uma febre de curto período. Atrás de nós, sacos vermelhos e verdes capturados no mato pelo vento estão a nos acenar. 

É trilhando que se faz o caminho e, por surpresa, se presenteia o espectáculo da baía de Tarrafal, a praia de areia branca da qual ouvimos tanto. Os cães – os cães de Cabo Verde são os vagabundos mais felizes da Terra – se aproximam com a única intenção de uma carícia. Quando eles se cansam de nós, chafurdam por alguns segundos na água e consumem o acto sem cerimônia na praia. É a coreografia livre dos animais livres. 

As crianças-anfíbias, das quais tinha falado aqui, combinam o salto acrobático com a pesca a quatro mãos. Mulheres agachando-se ao lado dos barcos de madeira e limpam as suas tigelas de peixes pela manhã. 

Um caranguejo preto sobe um buraco nas proximidades. Ao fundo, movendo-se ligeiramente, como uma escultura de papel, assoma a bela e violácea jacarandá.


0 comentários:

Enviar um comentário

 
Design by Wordpress Theme | Bloggerized by Free Blogger Templates | coupon codes