21 de maio de 2012

Eu acredito no Grande Nada

Hoje quero falar daquilo que acredito. Todos querem definir um Deus como um homem ou uma força qualquer. Esse Deus é sempre algo, existe de uma forma finita: tanto dentro dos limites de um corpo como no infinito de uma força transcendental, conforme a filosofia escolhida. 

Mas, será que é possível este Deus ser um Grande Nada, que é a única forma que concebo para definir o infinito? Mas quando falo do “Grande Nada” não me assumo como ateu, antes pelo contrário. Reconheço que existe este ser superior só que na forma do nada. Não será o Nada uma forma de imortalidade? Não saber nada, não sentir nada nem aspirar coisa nenhuma. Imortalidade na sua forma real, entendendo “real” como algo que não existe. 

Sempre estivemos em contacto com o Grande Nada. Disto é prova que quando nascemos não trazemos qualquer lembrança porque nossa vida começa do Nada. Choramos ao nascer por afastarmos do nosso Deus Nada. E quando morremos não levamos coisa alguma porque nosso corpo e os bens que adquirimos durante esta passagem terrena não conseguem transformar-se em nada; sempre serão alguma outra coisa, nem que seja pó. Somente nossa “alma” tem esta possibilidade de transformar-se em Nada e tornar-se imortal a partir do tempo em que cair no esquecimento, porque até o pensamento tem a capacidade de fazer as coisas existirem. Enquanto houver lembrança de ti não poderás tornar-te Nada. 

Enquanto estamos vivos uma das formas de estar em contacto com o Grande Nada é quando dormimos e acordamos sem nenhum sonho nos ocorrer. Fechar os olhos e de manhã levantar sem nenhuma recordação é uma forma de prestar culto ao Grande Nada. Sempre que sonhamos (mesmo que seja o melhor dos sonhos) é uma forma do Tudo desviar-nos do nosso Deus Nada. Sempre que conseguimos dar forma, falar ou sentir durante o sono é porque não estamos em comunhão. 

Na essência, o Nada é maior que o Tudo.

7 comentários:

Criola di terra disse...

Tens este texto decorado não é? kkkk. O Grande Nada!!! Tou para perceber ainda.

Djiga disse...

Excelente ponto de vista, algo em comum ku di meu

daivarela disse...

Decorado não, reflectido. O Grande Nada não é para ser percebido, senão estarias a condicioná-lo e a dar-lhe forma. Entendeu?

daivarela disse...

thanks e seja bem vindo a congregação, irmão :)

Criola di terra disse...

Não tou para perceber o Grande Nada, mas tu...entendeu?

daivarela disse...

nem sei te dizer qual é mais dificil de entender, mas podes tentar

Criola di terra disse...

perceber o desconhecido!! esse é um bom desafio.

Enviar um comentário

 
Design by Wordpress Theme | Bloggerized by Free Blogger Templates | coupon codes