7 de agosto de 2011

Coladeira ou Hip-Hop Crioulo: qual melhor nos retrata?

Reconheço que a realidade caboverdeana já foi melhor retratada musicalmente através da Coladeira, que foi a melhor forma de descrever o viver e conviver do crioulo e seus problemas. Mas hoje esta tarefa foi conquistada pelo Hip-Hop CROULO e, diferente da Coladeira, ele já não escreve letras com duplo sentido para apontar o que está mal. Não, os MC’s conscientes estão colocando o dedo na ferida e remexendo até doer chamando os problemas pelos nomes, sem medo ou qualquer tipo de censura. Acredito que actualmente a melhor forma de se entender a realidade crioula através da música é ouvindo o HIP-HOP produzido pela sua juventude. 

Vamos deixar claro: muitos dos delinquentes que operam em Cabo Verde vestem-se imitando a cultura HIP-HOP. Isto e adicionando a má imagem projectada pelos Meios de Comunicação Social dos MC’s, verdadeira nuns casos mas noutros não, tem criado a impressão que os MC’s são marginais com um microfone na mão. Nada mais errado. 







Realmente existem muitos MC’s que sabem escrever boas letras, cantar e dar espectáculo mas o que lhes falta é dar o exemplo, é viver aquilo que pregam nas suas músicas. Porque um MC consciente não puxa pelos neurónios e pulmões para lutar contra o consumismo e aparece no seu vídeo-clip a mostrar os seus cordões de ouro, carros top de gama e outras expressões de riqueza e esbanjamento. Um MC consciente não pode cantar contra a violência urbana e sair na rua armado, ou apelar para a valorização das nossas crioulas e depois agredir sua companheira. Um MC que se comporta assim não faz mais do que uma sessão de hipocrisia explícita e a todos esses passo-lhes atestado de estupidez social. 








Há que ter atenção porque esta cultura é capaz de provocar num jovem de escutas nos ouvidos a ouvir HIP-HOP Crioulo uma visão e uma vontade quase que mais socialista de Cabo Verde. Isso porque este estilo de música procura ser uma tentativa de luta social que quer alcançar uma sociedade mais justa através de letras de caris intervencionista. Por isso considero uma grande responsabilidade esta tarefa de bombar mensagens sem rodeios que os verdadeiros MC’s espalham sobre um beat bem trabalhado. 







Daqueles que conheço e reconheço um trabalho de intervenção e uma grande contribuição no movimento HIP-HOP Crioulo estão, no Mindelo, Expavi (artista solo) e o grupo Hip-Hop Art e da cidade de Assomada os Rapazes 100 Juiz. Talvez tenha muito mais e espero poder ouvi-los também e se souberes de algum podes indicar-me.




15 comentários:

mrvadaz disse...

Dai, antes de mais, "kel abrasu" e obrigado pela pertiniência do tema!

a) Acho que estás a confundir um pouco o rap com hip-hop;

b) Sem dúvida nenhuma, para responder propriamente a tua pergunta, o hip-hop nos retrata melhor, hoje em dia, através das letras do rap pelas seguintes razões:

1) Demografia, êxodo rural e problemas resultantes desses dois fenómenos essencialmente;

2) Variedades dos temas e globalização.

Como temos uma população "super jovem" e com uma grande concentração nos centros urbanos, com problemas sociais, é muito mais comum ouvires em cima de um bit, jovens a falar do vandalismo, prostituição, má-governação, "bitches", prostitutas, violências, racismo, integração social, boa vida e muito mais.

O Hip-hop Crioulo se estende à nossa diáspora também, tens mc's como Goia, Psydin Atómico, Ka tha Brabo e muitos outros. Segue uns links:
http://www.youtube.com/watch?v=RugyadK_5Hc; http://www.youtube.com/watch?v=otnIslAUrms&feature=related; http://www.youtube.com/watch?v=k3ZsDh_rY8I

daivarela disse...

mrvadaz, bom saber que concordamos neste ponto.

Mas acho que não é propriamente uma confusão entre o RAP e o HIP-HOP, isso porque o HIP-HOP Crioulo tem características próprias que ele trouxe do RAP e que usa para criar algo distinto desta duas manifestações.
Se por um lado RAP faz a contestação social, por outro o HIP-HOP consegue torná-la mais "audível" às várias camadas da sociedade.

PS: vou ver os links e depois digo o que achei deles.

Abraço.

daivarela disse...

<mrvadaz, acerca dos links:

Psydin Atómiko(MdpWarriors)-Musica kim ta respira -
http://www.youtube.com/watch?v=RugyadK_5Hc

[música sem muito conteúdo na mensagem e com uma velocidade muito lenta no flow. Nada a apontar ao beat - nem positivo nem negativo. Ainda precisa melhorar muito até que seu hip-hop "spiga"]

Tchoras Mc feat Xibi & Psydin - Kaminho ku Luz - http://www.youtube.com/watch?v=otnIslAUrms&feature=related
[falta mais conteúdo de intervenção e o beat está fraco]

Sonoterapia Records Estudio 2007 Y.K....SBEYKS,GOYA , BUTS -
http://www.youtube.com/watch?v=k3ZsDh_rY8I

[de bom só a velocidade mas infelizmente perdem uma grande oportunidade de passar uma boa mensagem através do microfone, fazendo, isso sim, um apelo à violência urbana. Definitivamente fora da lista]

kel abrasu

Criola di terra disse...

Acabei de ler sobre o hip hop no teu blog. concordo com quase tudo que escreveste, só acho que não conheces bem os rapaz 100 juíz para colocá-los como exemplo.
Pelo menos naquilo que descreves do papel dos MC's nos parágrafos anteriores.

daivarela disse...

Criola di terra

Confesso que os conheço do recente álbum "Claridade" e principalmente da música "Centro de Paciência" onde fazem uma crítica ao Hospital Agostinho Neto - Praia.
Não consigo seguir-lhes a intervenção social mas espero que procurem fazer um bom trabalho nesta área também.

Criola di terra disse...

É assim, em relação ao percurso no hip hop, a vida deles nem sempre foi muito fácil, por causa do local de gravação, como não é e não foi para muitos mcs.

Agora melhoraram muito as letras das músicas porque as antigas, para além de terem essa vertente de manifestação, de crítica também faziam musicas nem sempre agradáveis, principalmente contra mulheres, e gabando as suas próprias pessoas
lol

Concordo que agora tem músicas apelativas, mas o comportamento de alguns deles na sociedade não é lá grandes coisas.

Conheço-os desde que iniciaram na música e mudaram muito nas letras, agora o comportamento não.

são do tipo, faz o k digo, n o k faço

mas agora, eles são, como dizem...
celebridades e tem k dar o exemplo
mas não dão.

Mas do resto o artigo é muito interessante
como tudo o que fazes

daivarela disse...

'brigada Criola di terra pelas dicas e elogios.
fka dret

Criola di terra disse...

Eu acho interessante que jovens encontrem maneira de reivendicar aquilo que vai mal na sociedade, os seus desagrados e desabafos. E de alguns anos para cá tem surgido vários grupos, no hip hop crioulo, que vem desempenhando esse papel. Uns bem, outros nem tão bem assim; uns que querem mostrar o seu desagrado perante aquilo que acham que não se esta a fazer pelos jovens e pela sociedade caboverdeana, e outros que só querem aparecer. Agora esses rapazes, e raparigas que cantam os seus desabafos deveriam seguir aquilo que dizem nas suas letras, o que nem sempre acontece. Mesmo assim tenho que reconhecer que muitos deles, independentemente de cumprirem ou não aquilo que cantam, são bons...mas alguns só. Eis alguns links- de um mc que particularmente aprecio http://www.youtube.com/watch?v=23INB1UVoNU;
de uma matéria sobre esse jovem
http://www.expressodasilhas.sapo.cv/pt/noticias/detail/id/17035
e de blog sobre o hip hop crioulo:
http://dodunahiphop.blogspot.com/
Espero que aprecies.

Anónimo disse...

Dai,

Quanto aos links que te enviei era unicamente com o propósito de lhes conhecer.

Quanto ao conteúdo ou a qualidade dos beats, isso já deixo para outras ocasião, até porque não gramo os falsos moralistas no mic.

Agora pergunto-te, o quê que um mc deve ou devia cantar? Acho que muitos deles( cito-te o grande Allen Halloween http://www.youtube.com/watch?v=ybEpV_5JGSA) estão mais preocupados em contar histórias(que não são boas) das streets de que passar boas ou más mensagens.

Contudo, congratulo com aqueles que fazem do rap ou usam-no para passar boas msgs ou progressão dos espíritos...

Abc

mrvadaz

daivarela disse...

Criola di terra
É verdade, muitos deles não conseguem viver aquilo que cantam. Algumas vezes porque não são eles quem escrevem suas músicas (o que é normal nos outros estilos musicais, mas no RAP já não é bem assim), ou então quando alcançam alguma visibilidade perdem o foco.

O exemplo mais flagrante foi o maior grupo de hip-hop em Cabo Verde que nos anos noventa fez sucesso internacional com temas que ainda hoje são tocados. Falo dos "Black Side", grupo de jovens de Mindelo que cantavam contra o uso e abuso da droga e que o grupo teve um final prematuro por razões conhecidas por todos.

Quanto ao link:
pex (ser bo me)
http://www.youtube.com/watch?v=23INB1UVoNU
[O Pex tem boas dicas, mas espero que ele tenha trabalhado melhor os beats dos seus outros temas porque esse é muito repetitivo e pobre]

Abraço

daivarela disse...

mrvadaz,
Considero que se um MC consciente pega do mic é (necessariamente) para fazer intervenção social. Não é para fazer apologia da violência gratuita e falar que é o melhor MC do mundo e que tem muita gente que o odeia ou outras baboseiras.

Por isso que sou consumidor do Valete, Azagaia, Bob Da Rage Sense, Fuze ou Expavi. São pessoas que cantam o som do Movimento e que tem uma preocupação com o beat o que, para mim, é a melhor combinação num MC consciente.

Já o Halloween é um caso especial...

Redy Wilson Lima disse...

meu caro, estou com o vadaz, confundes mesmo o rap com o hip hop e os 100 juiz nada tem a ver com o que escreveste. são tipo pop rap (eu sou bom). hip hop é muito mais do que o rap e falta os outros elementos no movimento em cabo verde, que aliás ainda não existe. ex pavi já é outra onda... manti.

Criola di terra disse...

Dai, quanto aos bits, Pex, como a maioria dos que fazem o hip-hop crioulo, ainda não conseguiu harmonizar bem com as letras, em algumas das suas primeiras criações, mas acredito, pelo menos daquilo que presenciei da sua última actuação, ele está a melhorar. E quanto as concórdias e as discórdias sobre as confusões entre rap, hip hop ou pop, temos que levar em conta que o que estes rapazes fazem da música foi descrito ou intitulado como 'hip hop crioulo' porque eles juntam vários estilos num só.

daivarela disse...

Redy Wilson Lima,
sei que o RAP é um dos cinco pilares fundamentais da cultura HIP-HOP, o problema é que em Cabo Verde assumimos esta cultura de uma forma diferente, tanto que quando alguém canta RAP referimos que canta HIP-HOP.
Foi nesta perspectiva que falei "Hip-Hop Crioulo".

Agora, vejo que ao incluir os Rapazes 100 JuiZ na categoria de MC's conscientes, errei ao tomar a parte pelo todo depois de ouvir apenas algumas músicas do seu mais recente álbum. Acho que vou tirar-lhes. O que achas?

Abraço

daivarela disse...

É isso mesmo Criola di terra, Hip-Hop Crioulo é outra coisa porque crioulo gosta de mudar o que está bem, hehehehe.

E... one love para o PEX.

Enviar um comentário

 
Design by Wordpress Theme | Bloggerized by Free Blogger Templates | coupon codes