10 de dezembro de 2010

Carta para mim?



Existe na minha zona (Cruz João Évora) um marco de correio, provavelmente o único que ainda resiste na minha querida ilha de São Vicente.

Lembro-me do tempo em que escrevia-mos as cartas a mão, comprávamos selos postais e a carta era colocada no marco de correio. É verdade, eu já estou idoso. As cartas seguiam um certo formato: Meu querido Odair, espero que estas poucas linhas te encontrem de boa saúde no seio da tua família e amigos (…) até um dia se Deus quiser em que poderemos matar essa saudade”.

Guardava-se sobrescritos, pois lá estavam os endereços. Coleccionava-se os selos pois eram obras de arte que viajavam de e para toda a parte do mundo.

Lembro-me também duma cena engraçada. Estávamos nós sentados na praça junto ao marco. Chegou um gajo de Sintaton para enviar uma carta. Colocou-a no marco e preparou-se para seguir o seu caminho:

- Então, o senhor não vai dizer para onde a carta vai? – disse um dos meus amigos ao homem.

- Como assim? É preciso dizer? – perguntou desconfiado pois já sabia da fama das pessoas de São Vicente de gozar com as gentes de Sintanton.

- Claro que tens que dizer. Se não como é que a carta irá lá chegar? – respondeu outro colega  enquanto todos de cara séria confirmavam com a cabeça.

- Bom – disse o homem, encolhendo os ombros – se é assim. Chegou-se perto do marco e colocou a boca na abertura, gritando: “ê pe Peúl

0 comentários:

Enviar um comentário

 
Design by Wordpress Theme | Bloggerized by Free Blogger Templates | coupon codes